December 05, 2019

CHARTS - NOVEMBRO/19


Estreando uma nova série aqui no blog, vamos tratar do desempenho mensal dos trabalhos da nossa lenda (pelo menos enquanto ela não lança algo novo). A ideia é dar uma visão geral de como está se saindo o grande catálogo da Ayumi nas paradas musicais asiáticas.

LOVEppears/appears - 20th Anniversary Edition - 

Talvez o mais próximo de um "lançamento" que tivemos em mais de 1 ano, a edição comemorativa do LOVEppears - um verdadeiro item de colecionador - chegou às lojas japonesas na segunda semana de novembro.

No Japão, o lançamento chegou a ficar em #1 no ranking diário da Oricon. Curiosamente, o relançamento teve o mesmo peak da versão de 15 anos do A Best (#9). Um total de 8.173 cópias físicas foram contabilizadas pela Oricon e pouco mais de 8.400 cópias físicas+streaming. A Billboard Japan divulgou números superiores aos apontados pela Oricon, isto porque a Soundscan é quem contabiliza os dados da Billboard (o relançamento obteve um pico de #8 no ranking da Billboard). Ao todo há uma diferença de 416 cópias físicas entre os dois rankings. Independentemente dessa diferença, o relançamento é um sucesso visto que se trata praticamente de uma versão de luxo (e metade do Japão já tem o álbum original, né?). Vamos torcer para que ultrapasse a marca de 10.000 cópias.

Embora o lançamento do álbum esteja previsto apenas para o dia 6 de dezembro em Taiwan, os fãs já começaram a importar a versão japonesa. No chart semanal da Chia-Chia (uma das maiores lojas de Taiwan) o álbum debutou em #2 lugar entre os mais vendidos.

Seguindo a tradição de boas estreias em Cingapura, a nova versão debutou diretamente em #1 no KKBOX.

Japão
Oricon (Físico) 9-30-100-205 (8.173 cópias vendidas)
Oricon (Físico+Digital+Streams) 12-42
Billboard (Físico) 8-25-74 (8.489 cópias vendidas)*
Billboard (Físico+Digital+Streams) 15-51

Taiwan
Chia-Chia 2-7

Cingapura
KKBOX 1-1-12

A COMPLETE ~ALL SINGLES~

Sem dúvida alguma, esse é o lançamento mais recorrente da Ayumi (diria até que da avex) nos charts japoneses. Está sempre entre os mais vendidos digitalmente.

Oricon (Digital) 13-17-11-21 (2.246 cópias vendidas em novembro)

No acumulado o álbum ultrapassou 68 mil cópias digitais entre 2017 e 2019.

OUTROS

Falando em Taiwan, há basicamente 4 grandes lojas que divulgam seus charts semanais: KNN, G-Music, 5-Music e Chia Chia. Sendo que a G-Music é a mais antiga e, provavelmente, a maior. Na penúltima semana de novembro, 3 trabalhos da Ayumi rankearam no chart da loja:

#9 A SUMMER BEST 
#10 Days/GREEN
#11 Mirrorcle World

FONTES:
[1] Oricon
[2] Billboard Japan
[3] KKBOX
[4] Chia-Chia
[5] G-Music

September 17, 2019

, , , ,

Assistindo Aos Videoclipes De Ayumi Em VHS


Quem já teve a oportunidade de assistir aos pvs de Ayumi no "Complete Clip Box" sabe que eles não começam direto, como nos DVDs que acompanham os álbuns; antes de cada pv temos uma espécie de "vinheta" com a capa do single e o nome do diretor. Um detalhe simples, mas muito legal.

Assistindo ao pv de "Boys & Girls" no Complete Clip Box

Antes desse box houve várias VHS com pvs de Ayumi, mas o que não sabíamos é que cada uma delas trouxe vinhetas específicas, algumas bem interessantes.
O material a seguir foi escrito há dois anos no blog pessoal de uma de nossas amigas mais queridas lá do Japão.

Conhecendo Natsuka-chan
"Natsuka AyuRelease" tem 25 anos, é fã de Ayumi desde os 10 e começou a colecionar itens da cantora aos 12, sendo uma das maiores colecionadoras que conhecemos. Nosso primeiro contato com ela foi em 2013, quando descobrimos seu blog e ficamos pasmos porque a menina tinha TUDO!!! São todas as versões já lançadas de CDs, DVDs e até photobooks!


Uma foto com parte dos CDs, como amostra de sua coleção. 


Só os LPs são 78! Onde ela acha espaço para guardar tanta coisa?!

Além de "Ayumi Hamasaki-sama" (como ela se refere a Ayu), suas paixões incluem o ursinho Rilakkuma (por quem se diz "obcecada"), videocassetes e vitrolas, e sendo apaixonada por esses aparelhos é natural que ouça/assista todos os itens de sua coleção, inclusive LPs e VHS. É justamente sobre esses últimos que trata o relatório abaixo.

Todas as VHS lançadas por Ayumi

Relatório: assistindo às VHS de Ayu-sama
Sou da geração atual, mas comprei um videocassete na Amazon só para poder assistir às VHS de Ayumi Hamasaki-sama. E apesar de ter custado 3 mil ienes, ele é perfeito.



– A Film for XX (lançado em 15 de setembro de 1999)


Além da versão comum do "A Film for xx" (à esquerda), Natsuka-chan tem a versão "clear" com capa transparente! Qual será mais rara?...

Antes de cada pv, aparecem a capa do single e frases escritas à mão(*) por Ayu-sama. São frases profundas.

(*) São as mesmas que aparecem nas páginas do encarte do álbum "A Song for XX". São frases soltas e aparentemente sem sentido que não fazem parte da letra das músicas, exceto nas páginas em que estão "FRIEND" e "Depend on you".




poker face: "As pessoas mudam bastante nos momentos de 'encontros' e 'despedidas'."

YOU: "O vidro é transparente, bonito... e se quebra em inúmeros fragmentos."

Trust: "Nada mais é fora do normal."

For My Dear...: "Minha existência."


Depend on you: "Eu estou aqui!" (→ essa frase está presente na letra)


A Song for XX (comerciais)

Versão "A Song for XX": "O que eu consigo me lembrar é da sua imagem pequena e insegura."

Versão "POWDER SNOW": "Negativo = Errado? Sou eu quem nega, e também sou eu quem afirma."

Por último, vem o pv de "Boys & Girls".



– A clips (lançado em 23 de fevereiro de 2000)

Antes de cada pv aparecem a capa do single, data de lançamento e o código numérico.

WHATEVER:

LOVE~Destiny~:

TO BE:

Boys & Girls:

appears:

kanariya:

Fly high:

– A clips vol.2 (lançado em 13 de março de 2002)

Aqui, o conteúdo é igualzinho ao do DVD. Apenas não há menu.

– VHS de singles específicos:
Aparece o título na tela.

vogue Far away SEASONS (lançado em 20 de setembro de 2000):


SURREAL (lançado em 13 de dezembro de 2000):

M (lançado em 7 de fevereiro de 2001):

evolution (lançado em 13 de junho de 2001):


Na versão VHS constam apenas o pv e o respectivo comercial; o "making of" está presente apenas nas versões em DVD.
※Observação: sabe-se lá por quê, na descrição do site oficial está escrito que a VHS também traz o "making of" dos pvs. Eu assisti e não estão lá.

– Minhas impressões:
Diferente do DVD, a VHS tem qualidade de imagem inferior e é preciso rebobiná-la quando chega ao fim... Mesmo assim, ter comprado o videocassete e assistido às VHS foi uma experiência bem diferente. A sensação foi quase como assistir algo em VHS→DVD→Blu-ray→3D.

- - - - - - - 


Natsuka-chan, muito obrigado pelas informações~♡

Ah, e aproveitem para segui-la em suas contas no Twitter, onde frequentemente são postadas fotos e vídeos de seus tesouros! Olha os links: https://twitter.com/ayu_release e https://twitter.com/ayuloveRule.

June 28, 2019

[Mês do orgulho] Ayumi e o seu relacionamento com a comunidade LGBTQ+


Não é novidade para ninguém o constante apoio de Ayumi à comunidade LGBTQ+ e o apelo que seu trabalho tem para esse público. Nesse mês do orgulho, é importante ressaltar alguns feitos da lenda que deram e continuam dando visibilidade a esse público num continente tão fechado e sobretudo num país (Japão) onde as minorias sofrem tanta discriminação.

Ayumi e seu trabalho com membros da comunidade LGBTQ+

Durante toda sua carreira, Ayumi trabalhou com profissionais de grande renome e abertamente assumidos sobre sua orientação sexual. Alguns exemplos são: o fotógrafo Leslie Kee, com quem Ayumi trabalha desde o álbum Secret; seu antigo estilista, Alvin Goh; seu produtor e backing vocal Timothy Wellard (conhecido como Timmy), figura recorrente em seus clipes e shows.

Ayumi e Timmy nos bastidores do clipe BRILLANTE (2011)

A dançarina e atual coreógrafa de sua turnê, Lico, é uma das integrantes da equipe mais queridas pelos fãs e pelo público geral. Lico é uma mulher trans que chegou a compor a equipe de dança de Ayumi até 2007 e, após alguns anos, realizou sua transição e voltou a re-integrar a equipe. Foi selecionada como uma das lead-dancers nas turnês Premium Showcase (2014), Cirque de Minuit (2015) e Made in Japan (2016), em 2017 não participou dos shows devido a problemas de saúde mas retornou em seguida, dessa vez como coreógrafa principal dos shows. Além disso, contracenou com Ayumi no clipe de XOXO (2014). 

Ayumi contracenando com Lico (2014)

Referências em seu trabalho

Mas o engajamento de Ayumi não está restrito a apenas a trabalhar com profissionais do meio. Durante diversas vezes, ela trouxe para seus shows e clipes referências à comunidade, algumas vezes de maneira explícita e outras de maneira mais implícita. Esse é reconhecido como um dos motivos de alguns fãs deixarem sua fã-base por não concordarem com seu engajamento político. Uma das primeiras vezes que isso ocorreu, foi no clipe de GREEN (2008), onde Ayumi encarna um sugestivo romance lésbico com a atriz Saito Midori.

Ayumi contracenando com a atriz Saito Midori (2008)
Já em 2010, Ayumi surpreendeu o público e a crítica com o clipe de Lady Dynamite, que se passa numa boate gay, rendendo icônicas cenas como a do banheiro (rs). O clipe não foi bem visto por alguns e foi inclusive motivo para que certos sites deixassem de acompanhar a carreira de Ayumi. Uma pena, não?

Bastidores do clipe de Lady Dynamite (2010)

Em 2012, Ayumi trouxe talvez a mais significativa contribuição para a comunidade LGBTQ+. How beautiful you are foi o primeiro single de seu álbum Party Queen (2012). A canção foi utilizada como tema do dorama 最後から二番目の恋  e o quê chamou atenção do público geral foi o seu clipe. Pela primeira vez um artista do mainstream japonês utilizou beijos gays em um clipe. A música foi escolhida como o tema da Tokyo Pride Parade devido a visibilidade, até então inédita, dada à comunidade. Os casais que aparecem no clipe são casais da vida real. Ao ser questionada sobre a escolha da música para a parada, Ayumi respondeu que estava extremamente feliz pois desde muito jovem frequentava o distrito de Nichome (um "distrito gay" em Shinjuku).

Cena do clipe how beautiful you are (2012)

Declarações

Em 2017, Ayumi publicou um texto em suas redes sociais explicitando sua chateação sobre a forma como o Japão trata as minorias, em tradução livre do AyuTrollada:

"E hoje encontrei uma amiga de longa data, e a conversa com ela me deixou sem saber o que dizer. Algo que me deixou pensativa e chateada como ontem à noite, quando voltei pra casa, e está até agora latejando na minha cabeça.

É sobre o porquê de o Japão ter tanta dificuldade para entender as minorias. Por exemplo, a minoria sexual referente ao público LGBT, ou a fala de uma autoridade feminina numa sociedade dominada pelos homens ser considerada opinião da minoria.

Sendo assim, eu, enquanto parte da minoria, vou continuar afirmando: ser minoria não significa ser fraco; e ser maioria não significa ser forte.
Vence quem sorri!(****) Vamos sorrir e sorrir!""

A declaração foi motivo de comemoração por muitos fãs que sempre viram Ayumi como um dos pilares na luta contra a LGBTQfobia no continente.

Nesse ano (2019), Ayumi publicou no instagram um texto de uma amiga referente as recentes leis japonesas para retirada da opção "sexo" nos formulários de admissão do ensino médio em algumas províncias japonesas, em tradução livre do Ayutrollada:

"Minha amada Risato compartilhou esta linda postagem, e peço permissão para fazer o mesmo. Leiam, por favor.

Tempos atrás, minha amiga murmurou com um suspiro: "queria poder assinalar a opção do meio...".
Ela é transgênero, e sente um desconforto tão grande sempre que vê o campo 'sexo' em seus documentos que não tenho palavras para descrever. Ela não fez alteração nos documentos, e apesar de fazer uso de hormônios, o corpo continua com aspecto masculino.

Formulários sem este campo preenchido não são aceitos por estarem 'incompletos', e caso marque a opção 'masculino', estará negando o fato de ser mulher. Segundo ela, "é horrível, como se dissesse a mim mesma 'você não é normal'".

Na primavera de 2020, o campo 'sexo' vai deixar de existir nos formulários para o exame de admissão no ensino médio, e em 14 províncias (como Kanagawa e Fukuoka) ele já não existe. Justamente por 'respeito' às minorias sexuais.

E se pararmos para pensar, não há a menor necessidade dele nesses formulários, porque o objetivo do vestibular é selecionar os alunos por sua capacidade; se a pessoa tem condições de ser aprovada, o gênero não influi em nada. Além disso, a abolição deste campo pode ser o fim de um tormento desnecessário para aqueles que se sentem desconfortáveis com seus corpos.

Mas vamos pensar um pouquinho: será que o 'respeito' se limita a esta mudança?
Aquela amiga de quem eu falei no início da postagem me contou que quase nunca ia à escola, e é muito provável que a razão disso não seja apenas o campo 'gênero'.

A sociedade em que vivemos nos divide apenas em 'masculino' e 'feminino'. Nas escolas, em particular, os banheiros, boletins, documentos emitidos pelos instrutores dos clubes, uniformes, o horário da educação física... Em vários pontos está implícita a ideia de que todos se dividem em 'masculino' e 'feminino'.

Se conversando com uma amiga eu pergunto 'já tem namorado?', já está claro o meu pré-julgamento de que ela é heterossexual e namoraria um homem; e caso ela não se encaixe neste senso comum imposto pela sociedade, a pergunta poderia lhe causar grande desconforto.

A mudança dos formulários, por si só, não vai mudar a sociedade, mas pode levá-la a se questionar se o suposto 'padrão' é válido para todas as pessoas e até a respeitar as diferenças. Esta forma de pensar, aliás, não se aplica apenas à questão do gênero, mas a qualquer outro assunto.

Logo chegará o dia em que diremos 'homem, mulher; seja o que você bem entender. É divertido'.
A sociedade não muda por acaso; isso só acontece porque nós é que mudamos.
Texto: @enmami000
O que podemos fazer em nome deste 'respeito'? Deixem suas opiniões nos comentários!

#Exame de admissão do ensino médio
#Gênero
#Identidade de gênero
#Colagem
#Collageartwork
#Vestibulando
#Digitalcollage
#Escola
#Ensino médio
#Igualdade de gênero"

Tokyo Pride Parade de 2018

No ano de 2018, Ayumi foi selecionada como a principal atração da Tokyo Pride Parade. Uma verdadeira celebração da diversidade, a parada ocorreu no dia 6 de maio e os show foi totalmente gratuito, Ayumi não recebeu nenhum cachê para realizá-lo. Em suas redes sociais, Ayumi agradeceu o convite e mostrou entusiasmo para o evento.

Ayumi nos bastidores do evento (2018)
Nesse mês da diversidade, achamos importante trazer um pouco de toda a visibilidade que Ayumi deu à comunidade LGBTQ+. Certamente, ela é uma das artistas japonesas mais ativas nessa luta e, felizmente, sabe utilizar de seu nome e exposição para trazer temas importantes como esse para a sociedade japonesa.


Obrigado a todos que leram!