June 01, 2019

,

Biografia


[Atualização: 01/06/19]
Perfil

Nome : Hamasaki Ayumi
Apelido : Ayu
Data de Nascimento : 02 de outubro de 1978
Local de nascimento : Fukuoka
Signo : Libra
Altura : 1m56
Peso : 40 kg
Tipo sanguíneo : A
Medidas : 80-53-82
Artistas favoritos : Keiko (GLOBO) , Rie Miyazawa, Seiko Matsuda.
Atores favoritos : Nicolas Cage, Rie Miyazawa.
Filmes Favoritos : The Bodyguard, Betty Blue, Leaving Las Vegas.
Hobby : Piano, Caligrafia, Desenho.
As pessoas que ela respeita : Pessoas com habilidades que ela não tem.
O que não gosta : Aqueles que não dizem "olá" e que mentem.
Estado civil : Solteira (2018)
                       Divorciada de Tyson Bodkin (2016)
                       Divorciada de Manuel Swcharz (2012)



Ayu é ainda hoje um dos pilares do pop japonês. É considerada a Rainha do J-pop e ganhadora de vários recordes dentro da indústria musical. Desde sua estreia em 1998 com o single "poker face", Ayumi já vendeu mais de 50 milhões de discos apenas no Japão, tornando-se a artista que mais vendeu discos no país.

Diversidade musical combinada com qualidade e produtividade são a marca da cantora.

Sempre foi alvo de críticas na mídia japonesa, tornando-se uma das artistas mais polêmicas do Japão e mais adoradas, também. No entanto, esta pequena mulher não deve seu sucesso apenas ao trabalho de cantora. A espontaneidade, o dinamismo, a honestidade nas letras, o carisma no palco e a relação especial que tem para com seus fãs e equipe ajudaram-na a erguer seu reinado, que neste momento tem 21 anos! 



Infância:

Ayumi morava em Fukuoka com a mãe e a avó. O pai largou a família quando a cantora ainda era criança e até hoje não se sabe sobre ele (assim ela conta). Sua mãe trabalhava praticamente o dia todo para sustentar a família, deixando para a avó a responsabilidade de educá-la.

Teve uma infância um pouco conturbada. Desde cedo, sentiu que era diferente dos outros, preferindo até mesmo se isolar dos colegas da escola. Mas o comportamento de Ayumi mudou radicalmente, e a pequena menina discreta e solitária se transformou em uma adolescente "vanguardista". Rebelde naquela época, vestia-se de forma provocativa e tingia seus cabelos (fora dos padrões japoneses), chegando até mesmo ser alvo de bullying.

Para ajudar a família, aos 7 anos, ingressou na carreira de modelo para a agência de talentos "SOS". Aos 14, mudou-se para Tóquio trabalhando na matriz da "SOS". Em 1993, adotando o nome artístico "Kurumi Hamasaki", fez seu primeiro trabalho como atriz no dorama "Twins Kyoushi". A atmosfera tensa e a concorrência existente entre as modelos (relatos em várias entrevistas) fizeram com que desistisse de ser modelo.

Em 1994, devido à sua baixa estatura, Ayu foi transferida para a agência "Sun Music", onde começou a atuar em doramas e filmes como "Miseinen", "Sumomo mo Momo" e "Like Grains of Sand".

Já em 1995, lançou pela gravadora Nippon Columbia o mini-álbum NOTHING FROM NOTHING, primeiro trabalho profissional como cantora. Apesar de ter sido promovido em revistas e programas de TV em que Ayumi aparecia, o mini-álbum não vendeu muito bem, chegando a alcançar a posição #200 na Oricon. Com tal resultado, Ayu foi demitida pela gravadora e ela logo em seguida desistiu da carreira de atriz, também.

No Ensino Fundamental, era uma boa estudante e sempre tirava boas notas. Por acreditar que as matérias escolares (relatos em entrevistas) não teriam utilidade em sua vida, suas notas caíram gradativamente. Em Tóquio, ingressou na Escola de Artes "Horikoshi Gakuen", mas desistiu no primeiro ano do Ensino Médio.

Sem um trabalho e sem um estudo fixo, vagava pelas ruas de Shibuya se divertindo nas boates e karaokês principalmente as de domínio da Avex, sua futura gravadora.

Uma pequena estrela começa a brilhar novamente

Retornando ao "Nothing from Nothing", Ayu, ainda com 15 anos, conheceu Masato Matsuura, seu futuro produtor e atual dono da Avex Trax, através de conhecidos que trabalhavam na boate Velfarre, a qual frequentava muito. Naquela época, os dois eram apenas amigos e pouco falavam sobre trabalho. Depois que Ayu desistiu da antiga agência, Max (Masato) lhe fez uma proposta para ingressar novamente no mercado musical.

Nessa época, a Avex era considerada uma gravadora nova e estava buscando por estrelas que dessem retorno financeiro imediato, por isso amigos de Matsuura acreditavam que Ayumi seria uma escolha errada diante de tal situação. Os superiores da empresa também disseram que ela não tinha um rosto que muitos estariam dispostos a patrocinar. Mas nada disso fez com que Max desistisse, pois ele acreditava fortemente no potencial que a cantora tinha, apesar de sua voz não ser uma das melhores.

As primeiras propostas foram recusadas, mas ela logo resolveu voltar atrás. Começou a ter aulas de canto no Japão, porém achava o clima muito chato e rígido a ponto de faltar em muitas aulas. Max então lhe propôs que fosse estudar canto nos EUA. Foi um ano de preparo no exterior, e durante esse intervalo os dois trocavam cartas, que levaram Matsuura a motivá-la na composição de letras para futuras músicas.

De volta ao Japão, madura tanto profissionalmente quanto como pessoa, a carreira de cantora foi lançada no dia 8 de abril de 1998 com o primeiro single "Poker Face", que chegou a alcançar o 20º lugar na Oricon. Meses antes, no dia gravação do single, sua avó viera a falecer. Muitos acreditam que é por causa disso que Ayu detesta essa música.

O single não vendera muito, mas despertou a atenção do público japonês graças à letra, que tinha um toque de honestidade e relatava experiências na vida focadas na solidão e na introspectividade.

Melhores resultados vieram com outros singles "For my dear...", "Trust" e "Depend On You", que chegaram ao 10º lugar. E o lançamento do primeiro álbum "A Song For XX", no inicio de 1999, foi um sucesso.

Para a surpresa de muitos críticos musicais, o álbum estreou na primeira posição da Oricon com mais de 500 mil cópias vendidas e liderou as paradas por cinco semanas, um feito notável para um álbum de estreia. Depois de permanecer nas paradas por mais de 63 semanas, finalmente passou da marca de um milhão de cópias vendidas. O álbum repleto de letras que falam principalmente sobre "insegurança, tristeza e amor" ganhou dois prêmios no Japan Gold Disc Awards na categoria "Melhor Artista Novata" e "Álbum Pop do Ano".

Essa recente popularidade levou Ayumi a ser convidada para se apresentar no prestigiado Kouhaku Utagassen, um tradicional programa televisivo da NHK realizado sempre no último dia do ano, com apresentações de artistas que tiveram ótimas vendas de CDs no ano.

Ayu finalmente encontrou seu lugar e finalmente deixaram a garota brilhar. No entanto, era apenas o começo da longa jornada que viera a caminhar.

A Estrela em Ascensão

Ainda no ano de 1999, vários outros lançamentos se seguiram explorando novos estilos musicais como o dance, o trance e o orquestral. Surgiu então o primeiro álbum de remix, "Ayu-mi-x", trazendo as músicas de "A Song For XX" em versão remixada. Depois, novos singles com estilos variados começaram a atingir o primeiro lugar nas paradas da Oricon; o primeiro deles foi "LOVE ~destiny~". Logo vieram dois singles que chegaram pela primeira vez à marca de um milhão de cópias vendidas: o "A" e o single que viria a se tornar um dos hinos de Hamasaki, "Boys & Girls".

Em dezembro de 1999, o segundo álbum de estúdio "LOVEppears" ultrapassou a marca de 1 milhão de cópias vendidas logo na primeira semana. Permanecendo nas paradas por 64 semanas e com letras descontraídas (em sua maioria), LOVEppears segue um estilo mais para o eletro dance da época, entrando em contraste com A Song For XX.

No mesmo dia do lançamento do segundo álbum, a canção "appears" foi lançada como single, e com o grande sucesso do álbum, mais duas músicas se tornaram singles: "Kanariya" e "Fly high". A canção "Trauma", apesar de se tornar um hit muito popular, não ganhou PV.

Há uma grande polêmica em torno da capa do álbum. Especula-se que seja a representação de Ayu para a indústria musical. Com sua popularidade em ascensão, a cantora virou uma boneca, um produto de grande valor que estava gerando lucros imediatos para a gravadora. Sua feição sem vida e braços contidos dão a ideia de um perfil de boneca, "a boneca industrial".

Com os cabelos tingidos de loiro, revolucionou a moda da época. O que era tabu, tornou-se frequente entre as garotas do colegial. Qualquer coisa que Ayu fazia, desde mudanças no cabelo – que, acredite, são várias POR ANO – até as unhas artísticas, o público feminino imitava sem pestanejar. Agora, a garota que, na adolescência, era considerada delinquente por usar saias curtas e cabelos tingidos, tinha se tornado um ícone que até hoje dita a moda no país.

Para uma japonesa, os olhos de Ayu são considerados grandes, e por serem assim, eram chamados de exóticos e interessantes pelos japoneses, fazendo aumentar a procura por clínicas de cirurgia plástica para o aumento dos olhos. Estes olhos serviram de inspiração para a criação da tribo de estilo agejo (identificável pela pele clara, olhos grandes e penteados escandalosos), que tem feito a cabeça das japonesas na atualidade.

No ano seguinte, a primeira turnê oficial "Concert Tour 2000 A" foi formulada em grande escala, terminando em agosto do mesmo ano. Apesar da pressão mental e do problema no ouvido interno esquerdo que havia passado durante a realização do show, a cantora aparentou-se satisfeita com o resultado. 2000 foi o auge, mas com seu sucesso, começara a enfrentar desafios que jamais havia pensando um dia.

Contudo, em seguida vieram outros problemas a serem resolvidos. Sua imagem "Ayumi Hamasaki" se expandia cada vez mais, ganhou titulo de influência social e, com o uso de lentes de contato, ditava a moda mais uma vez. Em uma entrevista, Ayu revelou o quanto ficara chocada com seu sucesso e preocupada com a divulgação de suas canções de forma errada em programas de TV que tratavam de assuntos como "crimes juvenis". Além disso, recebia cartas de fãs dizendo que eram salvos pelas suas músicas. Tais problemas resultaram no mais profundo e dramático -até aquele momento- álbum feito por ela, o Duty.

Talvez por perceber todos esses problemas ao mesmo tempo após a turnê, Ayu ficara deprimida ao extremo e tais letras desesperadas, como "End of the World", foram escritas. Mas ela se recuperou e passo a passo tentou resolver os problemas um por um, e deste processo surgiram as canções "Duty", "SURREAL" e "AUDIENCE".

O título do álbum "Duty" resumia o que Ayu e os demais sentiam naquele momento: a cantora tornou-se importante e sentiu-se no Dever de ser um bom exemplo com o papel social.  Esse álbum traz som muito mais maduro que os anteriores, tendo músicas ramificadas entre o dance-pop e rockish, e letras melancólicas que transcreviam os sofrimentos psicológicos que nossa Diva tinha diante do sucesso inesperado do momento.

Apesar de ter considerado este álbum "apressado", Duty é o mais vendido até hoje, com mais de 3 milhões de cópias vendidas só na primeira semana de vendas. O álbum foi certificado 3x Milhões por RIAJ, estreou na primeira posição e manteve essa posição por quatro semanas. Mas antes do lançamento deste álbum, 3 singles consecutivos que o compõem venderam mais de 1 milhão. Chamados de "A TRILOGIA", vogue ~Far Away~ SEASONS são muito queridos pela maioria dos fãs.

A capa de Duty retrata Hamasaki como um gato selvagem tentando sair de sua jaula. Especula-se que representa mais uma vez o que ela era para a indústria musical e para o público. 

Nessa época surgiram o tão adorado logotipo "A" e a mascote Ayupan. Esse ano trouxe também uma mudança em sua vida pessoal, quando assumiu seu relacionamento com o cantor e ator Tomoya Nagase da banda TOKIO, que pertencia a outra gravadora.


Com muitos prêmios que vieram a partir deste álbum, a cantora confirmou que não era um pequeno ídolo de passagem, ganhou confiança e sua carreira literalmente voou. Sempre escrevendo letras honestas, Ayu criou um universo musical e visual próprio.

Ano negro, suposto final de uma estrela


2001 começou com alguns fatos trágicos que poderiam anunciar o FIM de Ayumi Hamasaki, começando quando a gravadora Avex Trax decidiu lançar a primeira coletânea da cantora. Para Ayu, parecia o seu fim. Com tão poucos álbuns lançados, acreditava que não estava na hora de trabalhar nesse projeto. No entanto, a Avex não respeitou os seus sentimentos e a obrigou a anunciar o A BEST.

Contra sua vontade, Ayu se envolveu totalmente no A BEST, mas não de forma positiva. Ela regravou todas as músicas escolhidas pelos fãs em uma enquete online, e na capa da coletânea vemos seu rosto em escala cinza com uma lágrima escorrendo. Além do mais, a promoção da coletânea estava mais intensa que o normal; 30 revistas de uma só vez estampavam suas capas com o rosto de Ayumi, além de programas musicais de TV e comerciais variados.

A pergunta era o porquê de tanto esforço de sua parte para divulgar uma simples coletânea e o porquê do choro na capa, se era um álbum que reunia apenas as melhores canções. Uma única resposta: PROTESTO! Foi a forma que encontrou para mostrar sua indignação com a gravadora. Além do mais, poderia indicar o fim de sua carreira, e tudo dependia de como Avex enxergasse o protesto "silencioso". 

A data de lançamento do A BEST caiu no mesmo dia do álbum "Distance", da cantora Utada Hikaru, e ambos foram muito bem nas vendas, ultrapassando a marca de 4 milhões, cada. As duas cantoras deixaram bem claro que não havia qualquer rivalidade entre elas, e que isso fora criado tanto pela mídia quanto por suas gravadoras. Para a surpresa, como a coletânea vendera bem, Ayu permaneceu na Avex.

Logo após, outro problema apareceu. Durante o preparo da Dome Tour 2001, o problema auditivo de Ayu agravou-se. No ensaio final do primeiro dia do show, a cantora acabou desmaiando e caiu no buraco do qual sairia o globo de abertura do show. Um funcionário, ao tentar ajudá-la, acabou caindo por cima dela e os dois foram levados para o hospital.

Pelo diagnóstico médico, seu ouvido interno esquerdo estava danificado pelo excesso de uso do aparelho de retorno no ouvido, e foi recomendado então o cancelamento do show e seu descanso imediato, sob risco de perda de boa parte de sua audição. Com a desculpa de que os fãs já estavam esperando, Ayu optou por não cancelar sua apresentação. Com meia hora de atraso e a perna machucada e medicada com paracetamol (que duraria apenas uma hora e meia), Ayu cantou  e correu pelo palco todo por cerca de 2 horas em cada um dos 4 shows, como se nada estivesse acontecendo de errado. No final, perdeu mais da metade de sua audição esquerda. 

O retorno do brilho

Depois dessa turbulência e motivada pelo atentado de 11 de setembro nos EUA, o quarto álbum de estúdio estava sendo preparado com várias novidades. Ayu passou a compor melodias usando o pseudônimo de "CREA" (homenagem à sua cachorrinha chihuahua). A decisão de compor suas próprias canções surgiu ainda na construção de "M", o primeiro single do álbum. Nenhuma das melodias compostas pela equipe satisfez a visão que tinha para a música, então decidiu compor por si mesma. E assim, quase todas as melodias do álbum são de autoria da cantora. 

Embora o álbum já estivesse planejado desde o início do ano de 2001, ela resolveu abandonar a ideia original e partir do zero depois do atentado. Quando o lançamento de seu quarto álbum foi adiado, as ações da Avex começaram a cair, mostrando a grande influência que Ayu exercia sobre a gravadora. Estima-se que naquela época, ela era responsável por 40% dos lucros da Avex.

Ao invés de tratar de temas como "Solidão e Confusão", como nos lançamentos anteriores, Ayumi focou em temas mais mundanos, como "Fé, Paz e Liberdade". A letra de "A Song Is Born", em particular, é diretamente influenciada pelo ataque, assim com a capa do álbum. Para se encaixar aos novos temas, decidiu refazer a capa, também. Vestida de videiras e com uma pomba em seu ombro representando a paz, retratou-se na foto como "Musa da Paz".

"I Am..." foi muito bem nas vendas, chegou no topo das paradas e ganhou vários prêmios e certificados. É o álbum que contém mais músicas conhecidas da cantora, como "Evolution, M e Dearest", esta última usada como encerramento do anime Inuyasha e retrata novamente o que ela era para a empresa musical. Cerca de 80% do fãs internacionais até 2007 conheceram Ayu através desta canção apresentada no anime.

Foi no ano de 2002 que Hamasaki realizou o primeiro concerto fora do Japão, no "MTV Asia Music Awards" em Singapura. Na cerimônia, recebeu o prêmio de "Artista Japonesa mais Influente na Ásia". 

Para a divulgação de I Am..., foram criadas duas turnês tendo como tema a "nação japonesa": a "Arena Tour 2002 A" e "Stadium Tour 2002 A". Em Novembro, houve uma tentativa de lançar Ayu para o mercado europeu com o single "Connected", que veio no estilo trance composto pelo DJ Ferry Corsten, e logo em seguida, na Alemanha, foi lançado pela gravadora Drizzly remixes de seus singles anteriores até 2004.

Foi em 2002 também que surgiu o "Ayuready?" na TV Fuji, um programa de música dirigido por Ayu que recebia outros artistas e tratava de assuntos diversos. O programa durou cerca de dois anos, com 74 episódios. 

Ayumi, considerada a "Rainha da moda", criou nesta época a marca MTRLG (Material Girl), para a qual ela mesma desenhava alguns modelos e ao mesmo tempo promovia durante sessões de fotos. Esta marca, que tinha um preço acessível e como público alvo as jovens japonesas, durou até 2007.

No final de 2002, apostava-se no fim da cantora pela crença de não haver mais possibilidades de renovação de seu estilo e pela polêmica que se envolvera no início do ano. Mas aí veio "RAINBOW" como resposta. A cada álbum, Ayu superava as expectativas de todos, e para o quinto álbum, que vendera mais de 2 milhões de cópias, os 3 singles Free & Easy, H e Voyage ultrapassaram a marca de 1 milhão de cópias vendidas e trouxeram novamente uma mudança musical.

Rainbowlançado em Dezembro de 2002, foi o primeiro álbum a apresentar letras com pequenas frases em inglês. Embora não tenha composto as melodias tanto quanto em "I Am...", ela esteve bastante envolvida na produção do álbum. Trouxe diversos estilos musicais, que variavam entre rock, "summery", "up-tempo", "grand gothic" e novas técnicas de canto, como coro gospel e gritos de plateia.

Os temas de suas letras também variam entre liberdade e direitos femininos. Além disso, estrelou o curta-metragem "Tsuki ni Shizumu", criado para ser o clipe de seu 28º single "Voyage".

Para a promoção de Rainbow, foi criada uma faixa extra intitulada 00. Quem adquirisse o CD, receberia um código de acesso online para escutar a melodia. A partir dai, os fãs poderiam mandar uma letra de autoria própria para Ayu escolher e usá-la oficialmente. No entanto, ela acabou escrevendo a letra de Rainbow, que estaria presente na próxima coletânea de "baladas" lançado em 2003, "A BALLADS". Outra coletânea de sucesso, nela estava inclusa as mais queridas baladas com arranjos e vocais modificados. E mais: desta vez, a primeira prensagem do álbum teve 4 capas diferentes para serem escolhidas. O álbum vinha num Box set e era estampado com a capa original do A Ballads. A última faixa, "Sotsugyou Shashin", é o único cover de Yumi Matsutoya feito pela cantora.

Altos e baixos nas vendas; domínio em seus shows 

Em 2003, foram lançados 3 singles que ficaram no topo das paradas da Oricon. São eles “&, Forgiveness e No way to say”. Desde então, seus singles começaram a vender menos. “&" vendeu cerca de 500 mil cópias. Para comemorar o lançamento do 30th single, foi realizado no mesmo ano o show “A MUSEUM ~30th single collection live~”.

Mais tarde, veio o primeiro mini-álbum chamado "Memorial Address", que vendeu mais de 1 milhão de cópias e fez Ayu quebrar mais um recorde como a única artista feminina a vender tanto com um mini-álbum. Foi o primeiro lançamento a ter versões CD e CD+DVD. 

Um show intimista e apenas para membros do fã-clube foi formulado. "TA LIMITED TOUR 2003" teve sua performance no Nagoya Club Diamond Hall.

Depois de realizar o Arena tour 2003-2004, Ayu sentia-se desvalorizada pela gravadora. Segundo ela, a Avex não a tratava como um ser humano, e sim como um produto muito importante no mercado musical, embora o começo de sua carreira tenha motivado a ideia. Esta insatisfação a levou a produzir com calma o seu próximo álbum, MY STORY. Ayu não compôs temas de "esperança" nem seguiu um tema fixo; ao invés disso, usou seus sentimentos com muita liberdade e honestidade, o que resultou em um álbum autobiográfico. O sexto álbum  apresenta gêneros entre o pop e rock, e vendeu mais de 1 milhão de cópias no Japão.

Em Julho de 2004, um desentendimento entre Max Matsuura e Yoda (ambos integrantes da Avex ) gerou um caos na empresa, e boatos de que artistas populares como Ayumi Hamasaki, Hiro, Every Little Thing, hitomi e Do As Infinity poderiam sair da gravadora acompanhando Matsuura em um novo projeto. Isso causou uma queda nos preços dos produtos da Avex. As notícias de que Hamasaki se aliara a Max ao dizer que "seja lá o que ele faça, vou seguir com ele", levaram Yoda a se demitir e o caos na companhia terminou. Entretanto, por conta disso, Ayumi anunciou que não participaria mais de eventos de premiações musicais. Segundo ela, estaria recebendo sempre os mesmos prêmios ao longo da carreira, e recusando o direito de concorrer a eles daria oportunidade para novos artistas.

No inicio de janeiro de 2005, tivemos a estreia da primeira turnê baseada em um álbum, a ARENA TOUR 2005  ~MY STORY~. Foi o show mais bem trabalhado até aquele momento.

A partir da metade daquele ano, os singles "Fairyland, Heaven e Bold & Delicious/Pride" foram lançados e mais tarde iriam compor o sétimo álbum de estúdio, (miss)understood. Esses 3 singles, apesar de estrearem em 1º lugar na Oricon, não ultrapassaram a venda de 500 mil cópias cada.

O videoclipe de Fairyland, feito no Havaí, foi catalogado como um dos mais caros do mundo, assim como o de "My Name's Women", de MY STORY.

Em janeiro de 2006, o 7º álbum (miss)understood trouxe vários gêneros musicais, como R&B, rock, dance-pop e funk. Desejando cantar músicas da banda sweetbox, Ayu teve a permissão do compositor da banda, GEO, para regravar algumas músicas e houve ligeiras modificações nos arranjos e nas letras para se encaixar ao estilo de Ayu. Embora os singles tenham alcançado o topo das paradas do Oricon, o álbum não vendeu mais de 1 milhão de cópias, sendo o primeiro a não alcançar esse desempenho. 

Logo após o lançamento do álbum, veio a turnê baseada nela, a Arena Tour 2006 A: (miss)understood, na qual Ayu passa a ter domínio total na produção do show.

No mesmo ano, precisamente no mês de novembro, o 8º álbum entra no mercado musical intitulado como Secret. Inicialmente, seria um mini-álbum, mas Ayu preferiu esticá-lo mais um pouco achando que “tinha muito a dizer”. O Álbum têm influência de rock e de baladas. Assim como (miss)understood, Secret está voltado para o mundo feminino, explorando nele a personalidade feminina, segredos e o sentimento de amor.

Os singles Startin’/Born to be... e BLUE BIRD entraram para o topo das paradas, levando Ayu a quebrar mais um recorde de "maior número de singles em primeiro lugar por uma artista feminina". O Álbum também entrou no topo das paradas do Oricon, e apesar de não ultrapassar a marca de 1 milhão de cópias vendidas, ganhou 3 vezes o certificado de Platina só no Japão. Com esse último álbum, Ayu se tornou a 1ª artista a ter seus 8 álbuns no topo das paradas.

Poder além do Japão; Surdez; 10º aniversário


Em fevereiro de 2007 foi lançado o “A BEST 2”, uma compilação dupla com canções dos álbuns "I Am..." a "(miss)understood" e uma música inédita chamada “Part of me”. As duas versões, Black e White, estrearam em 1º e 2º lugar consecutivamente na Oricon, tornando Ayu a "1ª artista feminina a ocupar duas posições ao mesmo tempo em ranking de álbuns nos últimos 36 anos". A versão White contém musicas que falam de "amor e de felicidade", enquanto a versão BLACK traz músicas "melancólicas".

Com sua popularidade cada vez maior na Ásia, principalmente na China, foi decidido que seria realizada uma turnê internacional. Os últimos álbuns ficaram em 1º lugar em Cingapura, China, Hong Kong e Taiwan, com mais de 3,5 milhões de cópias vendidas.

A primeira turnê internacional, Asia Tour 2007~Tour Secret~, durou 4 meses, e além de passar por várias cidades do Japão, foi realizada em Taipei, Xangai e Hong Kong, onde teve todos os ingressos vendidos em menos de 3 horas. Durante os shows internacionais, Ayu cantou o refrão de Who... em chinês pela primeira vez, o que levou o publico à loucura.

No final da turnê, Ayu rompe seu relacionamento de 7 anos com o vocalista da banda TOKIO, Tomoya Nagase, declarando que o amor que sentiam um pelo outro já não era o mesmo desde 2005, e que desde então viviam como irmãos na mesma casa.

Após este acontecimento, Ayu mudou completamente seu look para promover o 42º single, "Talkin' 2 myself". Cortou seus longos cabelos dourados, optando por um penteado curto bagunçado e usando mais roupas casuais, uma visão totalmente diferente do que se via no começo de 2007, quando usava vestidos bem femininos. Muitos especularam que o single e esta súbita mudança tinham muito a ver com o fim de seu namoro com Tomoya.

A cada ano, além da mudança frequente nos estilos musical e visual, percebemos também a evolução vocal da cantora, que cada vez mais fica firme e grossa. Esta evolução é mais notável no 9º álbum intitulado GUILTY, lançado em 2008 e que foi o primeiro a não alcançar o topo das paradas. No entanto, os singles “talkin 2myself /decision”, “glitter/fated” e o single digital “together when” atingiram o 1º lugar.

Assim como MY STORY, esse novo álbum não foi baseado em tema algum, e segundo Ayu, as faixas contavam uma história. A maioria das músicas possuía tons sombrios puxados mais para o estilo rock. Um curta-metragem, "Distance Love", foi utilizado como vídeoclipe de "Glitter" e "Fated", filmado em Hong Kong e estrelado por um ator local, Shawn Yue, como par romântico de Ayumi.

Mas tarde, "Guilty" foi lançado como álbum digital em outros 26 países, sendo 9 deles ocidentais. Além disso, Hamasaki decidiu contratar DJ's ocidentais, como Armand van Helden, para seus álbuns de remix "Ayu-mi-x 6: Gold" e "Ayu-mi-x 6: Silver", seu primeiro passo no mercado musical global.



Após realizar o show de virada dos anos 2007-2008 (quase sempre tem), Ayu anuncia através do seu fanclub TeamAyu que o problema de audição -provocada pela doença de Ménière- que vinha enfrentando durante 10 anos chegara ao limite! Ela estava surda por completo do lado esquerdo, e mesmo assim não desistiria de sua carreira como cantora e muito menos abandonaria seus fãs. Se fosse preciso, cantaria até o limite do ouvido direito.



Apesar disso, muitos ainda acreditavam no fim de uma grande estrela nipônica. Depois de 3 meses do trágico anúncio, eis a resposta de Ayu: o single "Mirrorcle World", com videoclipe gravado em Paris. Além de comemorar os 10 anos de carreira, foi também a resposta para quem duvidava de sua capacidade. O single, que traz também regravações dos antigos hits DEPEND ON YOU e YOU, ficou em primeiro lugar na Oricon, quebrando mais um recorde. Ayu se torna a "artista japonesa com mais singles em 1º lugar por dez anos consecutivos". 

Para comemorar o 10º aniversário, uma nova turnê teve início. A Asia Tour 2008 ~10th Anniversary~ se expandiu para a China. Ayu mais uma vez ultrapassou os limites, e sua surdez não atrapalhava em nada sua jornada musical.

Em setembro, ainda comemorando os 10 anos de carreira,  foi lançada outra compilação, a A COMPLETE ~ALL SINGLES~. Em versão tripla e contendo todos os A-sides dos singles, vídeos de suas performances do A-nation e do TA LIMITED TOUR 2003 não lançados até então, a versão chinesa da coletânea trazia a regravação de Who... em chinês. Além disso, o booklet trouxe capas alternativas de cada single, guardadas até então nos arquivos da Avex.

Para encerrar o aniversário com chave de ouro, Ayu realizou o show de virada dos anos 2008-2009, porém com mais uma outra dificuldade: enquanto ensaiava sem parar, a cantora sofreu de anemia, fazendo com que desmaiasse na escadaria de sua casa e caísse sobre a mão direita. A mão passou por uma cirurgia de emergência uma semana antes do show, paralisando seu ensaio. 3 dias antes do espetáculo, Ayu voltou para ensaiar ainda com a mão operada e anunciou que não cancelaria o show. Mais uma vez, tomou um remédio para aliviar as dores e cantou por cerca de 3 horas.


2009, ainda com a mão sendo cicatrizada, Ayu não parou de trabalhar. Durante o descanso "forçado", produziu nos Estados Unidos seu 10 álbum  NEXT LEVEL. Em março de 2009, foi lançado em 4 versões (CD, CD+DVD, CD+2DVD e pendrive com 4 gigabytes) e conseguiu alcançar o topo das paradas do Oricon. Dessa vez, o álbum veio bastante energético com arranjo eletro-pop e um leve rockish. A faixa “Rule” foi música-tema do filme live-action da série japonesa Dragon Ball, de Akira Toriyama.

Para a promoção do álbum, foi realizada a Arena Tour 2009 A: NEXT LEVEL, com shows inteiramente energéticos e coloridos, assim como o álbum.

No final de 2009, Ayu quebra mais um recorde com seu 44º single “YOU WERE.../BALLAD”, sendo a "primeira artista solo e artista feminina a ter 22 singles consecutivos na estréia em 1º lugar" na Oricon e "45 singles no Top 10."

2010, Grande espetáculo; Novo Amor

Como de costume, inicio de ano, álbum novo. Durante sua hospedagem na Inglaterra, produziu o 11º álbum, Rock 'n' Roll Circus. O álbum trazia estilos variados de rock e pop e influência britânica. O próprio titulo seria uma homenagem à banda inglesa que tanto admira, The Rolling Stones. Os fatos importantes deste ano foram o lançamento do Next Level nos cinemas em formato 3D, além da turnê de 2010, Arena Tour 2010: Rock'n'Roll Circus. Em outubro a turnê ganhou uma edição especial chamada de Rock'n'Roll Circus ~7days special~ para promover os 3 singles lançados nos meses anteriores. O especial incluía 7 dias consecutivos de shows no mesmo local em que começou no dia do aniversário de Ayu, 2 de outubro.

Os três singles lançados entre Julho e Setembro conseguiram chegar ao primeiro lugar do Oricon e Ayu se tornou a "única artista em 22 anos a ter 25 singles estreados consecutivamente em 1º" na Oricon, quebrando o recorde de Seiko Matsuda.

Esta sequência de singles foi:

- MOON/ blossom (no PV de Blossom temos a atuação do cantor e ator coreano Jaejoong. Naquele ano, Ayu se tornou amiga muito próxima dele);
- Crossroad (trazendo um cover da  música "SEVEN DAYS WAR" da banda  TM Network's);
- L (50° single trazendo 3 novas músicas, "Sweet Season, Last Angel e Virgin Road", tendo este último um dos clipes mais caros do mundo, já que mais de 1 milhão de dólares foram gastos na produção).

Para o final do ano programou o 12º álbum, Love Songs, lançado no mesmo dia do single "DREAM ON" de Urata Naoya (grupo AAA) em parceria com Ayu. O único feat. que a cantora tinha até então foi em 2002  com a canção "A Song is Born", em parceria com a cantora KEIKO. 

O álbum foi lançado em 5 formatos, com novidades em LP, microSD e USB e recebeu o certificado de Platina pela RIAJ, pelas mais de 250 mil cópias vendidas. Para os críticos, as músicas de Love Songs ressoavam como um "songbook de karaokê" composta na década de 80, desatualizado e pouco impactante entrando em profundo contraste com os trabalhos anteriores, apesar dos vocais estarem em patamar elevado.

O tema do álbum é obviamente o Amor! Ele é repleto de canções de amor, baladas e pop-rock mediana, nada de novo. No entanto, devemos destacar as músicas "Love Song, Last Angel, Virgin Road e Sending Mail" pela melodia. Ayu estava apaixonada, e em menos de 3 meses produziu Love Songs. Tudo se deve ao relacionamento com  Manuel Schwarz, com quem se casou mais tarde logo após o CDL 10-11.

Mannie (Manuel) apareceu pela primeira vez no vídeo da música "Virgin Road", e nos dois outros seguintes, Love Song e Last Angel. Os três juntos formavam uma trilogia sobre um "amor bandido" encenado nos videoclipes. Várias letras do álbum parecem fazer referência ao tempo que passaram juntos.

2011, Terremoto, Pátria, União, PODER da MUSICA

No dia 1º de Janeiro de 2011, Ayumi se casa em Las Vegas com o ator e modelo austríaco Manuel Schwarz, que conheceu nas filmagens de Virgin Road em Setembro do ano anterior. A cerimônia simplória contou apenas com alguns amigos do casal.

Para promover Love Songs, Ayu planejava uma turnê para Abril titulada como "Arena Tour 2011: Hotel Love Songs". No entanto, o terremoto que abalou o Japão em Março a fez abandonar o plano. O novo espetáculo se tornou algo bem mais simples que o original, nascendo então a turnê "POWER OF MUSIC".  

A tragédia de 11 de março deixou quase 20 mil mortos e desaparecidos, e provocou uma crise nuclear na usina de Fukushima, a pior dos últimos 25 anos. Agravou a situação econômica japonesa e abalou fortemente sua geografia. O mundo inteiro parou para ajudar na reconstrução do Japão, e Ayu não ficou para trás.

Para conter o gasto de energia, POM foi um show que exigiu muito da própria Ayu. Todos os grandes efeitos de seus concertos foram removidos para o foco maior, os vocais. Sentindo que não deveria usufruir de joias e nem de maquiagens que a deixassem em glamour num momento tão difícil que precisava da humildade e generosidade de todos, a cantora cortou o cabelo bem curto e quase não usou maquiagem.

A setlist continha músicas próprias para a situação com arranjos modificados para o estilo orquestral. O show tinha apenas um propósito: aquecer o coração do povo japonês, que estava abalado. Além disso, Ayu doou 2 bilhões de ienes (16 milhões de dólares)  para a Cruz Vermelha do Japão, participou da campanha "Pray for Japan" e em parceria com a revista VIVI, criou camisetas da "Esperança" que se tornou a camiseta oficial da turnê, conseguindo arrecadar 23 milhões de ienes (aproximadamente 1,6 milhões de dólares), que também foram doados para a Cruz Vermelha.

Com uma pausa na agenda de shows, em Agosto de 2011 houve um novo lançamento: o mini-álbum FIVE trouxe 5 músicas nos estilos entre o R&B, Rock e Balada, e 5 videoclipes, dois deles dirigidos pelo amigo fotógrafo chinês Leslie Kee, o mesmo que esteve envolvido no projeto do Love & Hope. Este mini-álbum traz feat. com os cantores Urata Naoya (AAA) e JUNO (irmão de Junsu, do JYJ). Em 9 de novembro de 2011, foi lançado a versão Blu-Ray do álbum, o primeiro em Blu-Ray do mundo!

Muitos se perguntam o porquê desse mini-álbum ser nomeado de FIVE. Seria só pelo fato de conter 5 faixas? Ou tinha algo há mais?  Na entrevista da revista Sweet, Hamasaki deu a entender que há uma palavra escondida no título, e "H♡PE" foi descoberto pelos fãs se reorganizassem a palavra FIVE! E mais: acredita-se também que o título simboliza os 5 meses após o terremoto e tsunami que atingiram o Japão em março. 

E assim, com o tema "esperança", Ayu nos passa uma mensagem através de suas letras. Abrindo com "Progress" num estilo rock sinfônico, sem dúvida, se conecta com a tragédia de 2011 no Japão. Nos mostrando sua dor pessoal e angústia em um futuro de esperança para todos que compartilham.

A quinta faixa, "BRILLANTE", deixou muitos em euforia por usufruir de um estilo psicodélico. Sabemos que Ayu não se limita apenas a um estilo musical, ela está sempre experimentando novidades, e "BRILLANTE" é uma delas. Esta canção é a primeira a ser composta por recursos e vocais de fundo de Timothy Wellard, que agora é um de seus "backing vocals". Com uma letra simples, a melodia é assombrosamente bela e cheia de arrependimento e remorso. Sim, a sensação que temos são essas, sem futuro, desespero, e o videoclipe só nos ajuda a sentir isso ainda mais.

Infelizmente, o mini-álbum não se destacou tanto dentro do mercado, vendendo em lojas físicas menos de 500 mil. Ayumi teve problemas para divulgá-lo, principalmente após seu incidente com o programa Music Station ao qual teve de faltar por motivos de saúde (depois disso ela não foi mais chamada). Fãs japoneses pouco gostaram da ideia de tantos feats. num só trabalho e ausência de singles no ano. Pela primeira vez na carreira da cantora, foi um ano sem nenhum lançamento desse tipo.  

Desde 2002, Ayu  abrilhanta o encerramento do A-Nation, um show de verão que reúne os artistas que se destacam dentro da gravadora Avex Trax. Na edição de 2011, diante do desânimo com os fãs ao criticarem sua parceria com Urata durante o show, ela decidiu pela primeira vez não encerrar o festival, deixando um grande impacto diante do público presente.


Para a segunda etapa da turnê de 2011, que começou no final de setembro, houve 2 edições no título, além de outras mudanças. Até o começo de outubro, a turnê se chamou POWER of MUSIC~ 2011 A FINAL Chapter, e para as duas amostras finais na arena de Saitama, chamou-se POWER of MUSIC~ 2011 A LIMITED EDITION. Como as regiões mais afetadas começaram a se recuperar, Hamasaki queria enviar a mensagem  de "não vamos permanecer em tristeza, mas seguindo em frente e progredindo, sem nunca esquecer isso". A Setlist e performances evoluíram lentamente, com a adição de efeitos especiais e mudanças de figurinos, o que não se via no inicio da turnê em Maio.

A Setlist final incluiu as 5 novas canções, com destaque novamente para BRILLANTE. No meio do show, Urata Naoya  e JUNO invadiram o palco cantando apaixonadamente "ANother song" e “Why…" com Ayu. 

Com relação a esta tour, Hamasaki comentou para a mídia:
"A partir desse dia (do desastre), momento a momento, a situação do Japão está mudando. Eu mantenho este fato, além de várias emoções e eventos ao longo do caminho que nunca vou esquecer, no meu coração, e o show continuou a evoluir. E por acreditar no poder da música, consegui levá-lo até o fim”. Felizmente, ela acrescentou, "Vou continuar a cantar, na esperança de trazer amor e esperança através das minhas músicas para todas as pessoas ao redor do Japão que ainda estão nessa situação".

O show também foi transmitido ao vivo para um público limitado de 15 mil pessoas no "Ameba Pigg".

2011 trouxe também vários prêmios para Ayu, demostrando que ainda não tinha perdido seu poder, e ainda conseguiu quebrar novos recordes. Um deles foi com a estreia em Abril, em 1º e 2º lugar na Oricon, dos lançamentos DVD 50 SINGLES ~LIVE SELECTION~ e Rock’ n’ Roll Circus Tour FINAL ~7days Special~, tornando-se a "primeira artista feminina a manter as duas primeiras posições das paradas de DVDs musicais".

Em Maio foi anunciado que Ayumi quebrara mais um recorde, o de "artista feminina com maiores vendas de DVD", com mais de 2 milhões de cópias vendidas.

Com 3 anos sem lançar nenhum álbum de remix, a Avex decide retornar o projeto. Sendo a 7ª edição, o Ayu-mi-x vinha em quatro versões: "presents ayu-ro mix 4", "version Acoustic Orchestra", "presents ayu trance 4" e "version HOUSE". Lançados no dia 20 de Abril, conquistaram quatro lugares no top 10 durante a primeira semana de vendas, quebrando o recorde que antes era de 3 álbuns, por Larc~en~ciel, TMN e a própria Ayu.

Sobre isso, ela declarou: “Me sinto muito honrada por poder alcançar outro recorde como estes. Tudo isso é graças ao apoio dos fãs. Os remixes desta vez têm um ou dois sabores diferentes do original, por isso ficarei feliz se mais pessoas conseguirem apreciá-los. Além disso, os DVDs eram como uma espécie de compilação de todas as performances que realizei, então espero que as pessoas possam ouvir e assistir aos dois.”

2012, Separação, + Polêmicas, LOVE again

Como de costume, no final de 2011, houve a realização do Coundown Live, que pela primeira vez foi realizado em 3 datas (29, 30 e 31) e teve exibição ao vivo nos cinemas e pela TV. Foi batizado com o nome do antigo projeto deixado de lado, Hotel Love Songs, e na verdade, o show era apenas uma pequena amostra do que viria em 2012.  Este live é marcado pela ausência de 2 grandes integrantes queridos pelo público, a Peco-san (coro) e Go-mi, dançarino que já estava com ela há mais de 10 anos. Timothy Wellard tornou-se oficialmente seu backing vocal juntamente com outros dois: Yumi e Miccie.

E o ano de 2012 já começou com polêmicas! Através do fã clube TeamAyu, Ayumi anunciou seu divórcio de Manuel Schwarz. No dia 1º de janeiro, exatamente quando completaria o 1º aniversário de casamento, a cantora recebeu várias mensagens de felicitações dos fãs e da mídia, por isso divulgou tal notícia.

Os motivos para a separação foram muitos, e no anúncio, as razões pela qual se dera foi a tragédia no Japão e a distância entre os dois após o ocorrido.

"Na época do nosso casamento, meu marido e eu decidimos morar nos Estados Unidos. No entanto, aproximadamente dois meses depois, o leste do Japão foi atingido por um terremoto. Como resultado desta tragédia, senti uma necessidade enorme de ficar em minha casa e fui forçada a deixar meu marido sozinho por um longo período.
E com o passar do tempo, crescemos separados. Já não sentia vontade de me mudar para os Estados Unidos. Em vez disso, sentia que devia perguntar a mim mesma o que poderia continuar a fazer pelo meu país, aqui no Japão. Isto eclipsou o futuro que tinha inicialmente previsto com meu marido, e é por esta razão que eu tomei esta difícil decisão [...] 
No momento, meu marido está em Los Angeles perseguindo sua carreira como ator em Hollywood. Gostaria de pedir aos meus fãs que respeitem sua privacidade e evitem enviar mensagens ou contatá-lo para pedir comentários."

Mas parece que a separação não foi apenas pelos motivos acima apresentados.

No final de março chega seu 13º álbum de estúdio Party Queen, lançado em 3 versões: CD; CD+DVD e CD+2DVD, mais o single digital How Beautiful You Are.


De primeira, o álbum parece ser "alegre", mas na verdade, por trás das melodias agitadas há uma profunda tristeza. Como se sabe, Ayu conta muito da sua vida nas músicas, e com Party Queen não foi diferente. As músicas e as capas provocativas demonstram o estado em que se encontrava na pós-separação de seu marido. Temos a sensação de que o álbum fora produzido numa noite de festa com muita bebida onde ela tentava esquecer os problemas pessoais. A faixa que mais chama atenção é "Return Road", que trata do divórcio com Mannie. Isso fica bem explícito no PV, que traz Ayu de luto usando um vestido parecido com o que usara em Virgin Road (de Love Songs).

Então, Party Queen que traz estilos ramificados entre o Rock/Pop, R&B, Jazz e Orquestra, tinha como tema "tristeza e solidão". O álbum se destaca por trazer músicas que lembram muito filmes musicais da Broadway (como Eyes, Smoke, Magic e The NEXT Love) e pela participação forte de Timothy como compositor e presente nos videoclipes. O álbum contém uma regravação da música "Sose me (Lights Out)" da artista grega Ivi Adamou, da qual Ayu comprou os direitos e compôs a própria letra.

Para a promoção do álbum foi realizada a turnê de 2012, que se chamou Arena Tour 2012 ~Hotel Love Songs~. Um show conceitual bem original e que, como o título já dizia, se passava em um hotel. Mas não era um hotel qualquer, era um onde tudo acontecia de bom ou de ruim. O segundo e o terceiro atos foram os que mais chamaram atenção de muitos. O primeiro com as músicas "Tell Me Why" e "Reminds Me" retratava brigas de casais, e o segundo ato, com as músicas "Appears" e "Missing" era sobre traição. Especula-se que Ayu estava tentando mostrar o que de fato acontecia nos períodos em que viajava para se encontrar com o ex-amor, hospedado num hotel nos EUA.

Em Junho a turnê teve uma pausa, e neste período Ayu trabalhava numa nova coletânea que reunia hits de verão mais votadas pelos fãs chamada de SUMMER BEST. Nela estava também uma nova música de verão, "You & Me", e o cover de "Happening Here" (TRF), música tema da turnê 2012. 

Faltando 6 meses para os 15 anos de carreira, Ayu anuncia um projeto para a comemoração do aniversário, que consistia em 5 lançamentos. Seriam um por mês, começando em novembro com seu terceiro mini-álbum, LOVE. Este contém 3 músicas novas, 5 remixes e 4 instrumentais, e como o título já dizia, o tema do CD era sobre "Amor".

Durante uma visita ao Havaí no inicio de Novembro, Ayu foi flagrada com seu dançarino Maro trabalhando no projeto de dezembro, sendo vistos novamente 5 dias depois em Paris. Mas neste último lugar, a viagem não parecia ser a trabalho. A partir daí, rumores se espalhavam sobre um suposto relacionamento entres os dois, que mais tarde se tornou concreto. Sim, Ayu e Maro estavam oficialmente namorando, para a alegria de muitos que torciam pelo dançarino quepor várias vezes encenava o par romântico de Ayu nas apresentações. Mas o que era para ser um período bom para a cantora tornou-se conturbado: a mídia os perseguia dia após dia e começaram a surgir mais rumores, agora sobre Maro. O dançarino estava "casado" e atualmente envolvido em um processo de divórcio, e o nome "Ayumi Hamasaki" surgia repetidamente durante várias ocasiões judiciais, principalmente por parte da "esposa" de Maro.


Em dezembro, veio o quarto mini-álbum, "again". O título, na verdade, completava o trabalho anterior e juntos ficavam "LOVE again", indicando que Ayu estava amando novamente! Esse novo lançamento tinha a capa estampando Ayu e Maro na praia do Havaí. 

Acredito que, com o título sozinho, Again não indicava amor de novo, e sim relatar de novo o que tinha acontecido há 1 ano, exatamente no verão de 2011 em que Ayu foi para os EUA se encontrar com Mannie. A música foi novamente o meio usado para relatar o que acontecia nos encontros nada agradáveis. "Wake me up, Snowy Kiss e You & Me" juntos formavam uma trilogia que contava tal acontecimento trágico. Nos PVs destas músicas temos o Maro que muitos acreditam ser a representação de "Mannie".

Com a mídia perseguindo o namoro de Ayu com Maro, o countdown 2012-2013 não teve a presença do dançarino. A cantora depois escreveu para os fãs que decidiu tirá-lo da vista de todos para protegê-lo, mas que ele ainda continuava na equipe trabalhando como coreógrafo.

15 anos de carreira, erros e reconquistar


Ainda com o projeto dos 15 anos, em janeiro daquele ano foi lançado o "A Classical", uma compilação de músicas românticas em arranjo clássico. A escolha da tracklist foi feita a partir de votação fechada para o fã clube oficial, e a capa é a versão em desenho da capa de LOVE.

Em Fevereiro veio o 14º álbum,  LOVE again, com as músicas apresentadas no LOVE e again, a música You & Me e mais 7 inéditas. Em termos de estilo musical, nenhum novo além dos já apresentados em outros trabalhos, e foi visto como um Love songs 2! O álbum estreou em 1º lugar na Oricon e foi lançado em 4 versões: CD Only, CD+DVD, CD+Blu-ray e Playbutton (este último uma modinha desde 2010). Não foi bem nas vendas físicas, totalizando menos de 100 mil cópias. Desde 2011, logo após o trágico acontecimento no Japão, que a vendas de CD caíram de forma drástica não só para o lado de Ayu, mas para todos os artistas.

Em Março tivemos o último lançamento do projeto, o DVD Arena Tour 2012 ~Hotel Love Songs A~. Em abril, abriu-se no site oficial uma enquete para escolher até 3 músicas para estar na setlist da turnê, titulada como A BEST LIVE e que teve inicio no dia 13 de Abril.

Sendo os 15 anos de carreira, Ayu escreveu que queria passar o aniversário apenas agradecendo o apoio que  os fãs tinham lhe dado todo esse tempo, e que para isso queria que todos a ajudassem nesse projeto, começando pela votação.



Entre os 3 primeiros meses de 2013, Ayu teve aulas de canto nos Estados Unidos para aperfeiçoar sua técnica, depois de sentir a perda constante de fôlego durante o último show. Pelas fotos que publicava via Twitter, ela foi desacompanhada de Maro, dando origem a rumores de término e que depois foi confirmado pela mídia e Maro.  O ex-dançarino, por meio de entrevistas, prejudicou a imagem de Hamasaki nos 6 meses iniciais daquele ano, resultando na finalização da turnê mais rápida que o normal. 

No dia 13 de Abril, a turnê A BEST LIVE estreou na arena de Saitama com o setlist montado a partir da votação e um presente para todos os fãs, "Tell All", a nova música que comemorava o aniversário e que transcrevia o mais puro sentimento de agradecimento da cantora para o público numa melodia altamente forte e contagiante. O show simples continha a mesma vibe do BEST COUNTDOWN LIVE 2006-2007, trazendo as músicas favoritas dos fãs e performances e trajes que lembravam os shows já feitos durante os longos 15 anos com remakes de performances. Para muitos, a simplicidade do show foi o de menos, pois a voz e o sentimento de amor transmitidos pela cantora compensaram o simplório.


O CD live do show dos 15 anos, lançado em setembro, ocupou o sétimo lugar no charts de álbum semanais, ajudando a cantora a alcançar o recorde de "artista feminina com maior número de albums no TOP10".

LOVEagain 2, 


Final de 2013, novo romance e noivado com o americano Tyson Bodkin, um estudante de Medicina de Los Angeles e amigo do casal Choo. Esse casal, conhecido por vendas de imóveis milionários nos EUA, a ajudou na compra de um imóvel por lá e, claro, em sua aproximação com Tyson. 

Ainda em comemoração dos 15 anos, tivemos o lançamento de dois books: photobook (livro de fotos) e um style book (livro de estilo). "ayu" é um photobook feito inteiramente na casa adquirida por ela em 2013, em Los Angeles. Entre 2013 e 2014, a cantora e o casal Choo compareceram em várias festas e exposições de grandes marcas, como Cartier e Chanel. 

O fim de ano chegou com o lançamento do single Feel the love/Merry-go-round, que trouxe um ritmo inteiramente dance/pop. A primeira faixa foi produzida pelo aclamado DJ Hello Kitty, e Merry-go-round foi produzida pela famosa dupla japonesa m-flo. Depois de 2 anos sem se apresentar no Music Station (por conta do incidente em 2011), Ayu retornou para o programa de fim de ano, o Super Live Music Station 2013, no dia 27 de Dezembro na TV Asahi!

O Countdownn Live 2013-2014 trouxe uma pequena amostra de como seria o 2014 de Ayumi Hamasaki, divulgando o último single citado acima. 

Em Janeiro de 2014, Ayu, Tyson e Timmy se hospedaram na cidade de Paris para o evento de promoção do filme BUDHHA 2, no qual a cantora ficou responsável pela canção tema. "Pray", escrita pela cantora e composta por Kunio Tago (responsável pelas melodias de SAKURA, Together When..., Days, Key -eternal tie ver.- e SCAR) é uma balada pop com o tema "esperança".

Em março de 2014, por meio do TeamAyu, anuncia o casamento com Tyson e passou uma longa estadia em Los Angeles. A cidade a influenciou na criação do 15º album, CoLOURS, produzido em parceria com grandes nomes do EDM (Eletronic Dance Music), como RedOne, Armin van Buuren, Rodney Jerkins, Fedde Le Grand e DAISHI DANCE!

Para a divulgação do álbum, houve a turnê PREMIUM SHOWCASE ~Feel the love~ com apenas 11 datas por 3 cidades (Tóquio, Osaka e Nagoya). Aqui quebrou-se a tradição de turnê, trazendo um novo e único formato, optando apenas por "lugares maiores" para poder usufruir de um palco e técnicas mais modernas à altura de uma Rainha do pop japonês. Em cada cidade, um CD contendo duas novas músicas foi vendido nas barracas de vendas de goods. No final da turnê, ela lança o álbum em que há experimento com estilo EDM ocidental.  O logotipo "A", tão querido e usado desde 2000 para representar lançamentos da artista, foi descartado nessa turnê.


Ainda falando da turnê, pela primeira vez não foram incluídos na setlist os maiores hits como SURREAL e evolution, Who... e MY ALL, e nem MCs (parte em que há conversas com a plateia). O show também não se encerrou com Who... ou MY ALL, como era de costume. É o show que quebrou completamente a tradição de shows já apresentados; foi bem recebido e aclamado pelos japoneses. Porém, o álbum não chegou a vender tanto, não ultrapassando a marca de 100 mil cópias vendidas

Curiosidade: Ayu conseguiu os direitos para transportar dos EUA o palco que seria usado no último show de Michael Jackson. 

Em dezembro de 2014, o Teamayu abriu suas portas para o mundo e agora os fãs internacionais puderam participar dele.

O COUNTDOWN LIVE 2014-2015 ~A Cirque de Minuit ~Mayonaka no Circus~ trouxe mais uma vez o tema circense, porém como uma atmosfera sombria. O mesmo título foi usado para a turnê de 2014, que divulgou o 17º album A ONEtrabalho recheado de baladas e ritmos já apresentados, acarretado de mensagens nas entrelinhas.  

A ONE veio num momento em que a cantora vinha sendo criticada pelas drásticas mudanças nos últimos quatro anos, que segundo fãs e a mídia japonesa, já não era mais a Ayumi Hamasaki que conheciam. Apesar de ser conhecida pelas frequêntes mudanças, tanto em gêneros musicais quanto na aparência, o público sentiu a cantora muito fora da sua linha. Alguns relatam que suas recentes letras vinham de forma "vazia", "sem nenhum sentimento de honestidade", e até mesmo o cansaço dos fãs aos "desabafos de relacionamentos malsucedidos". Essa mudança fora sentida com Party Queen e se agravou com LOVE again, sendo concluida com Colours. Este último, aliás, foi muito criticado por adotar um estilo musical americano, o que acabou influenciando nas vendas físicas que não chegou nem a 50 mil cópias em sua estreia. Um feito terrível para uma artista de grande porte como Ayu. 

Colours, na minha humilde opinião, foi mal interpretado. No momento que Ayu mirou para o EDM (Musica de dança eletrônica), já podíamos prever que o trabalho não era pra ser o "estilo normal" da cantora, trazendo letras descontraídas e, como muitos rotularam, "vazias". O álbum foi uma experiência divergente que foi ao mesmo tempo boa e ruim para a cantora. Conforme a entrevista cedida a 109 NEWS, ela mesma sentiu que, de certa forma, estava fugindo de si mesma: "Acho que as pessoas próximas a mim já sabiam que eu estava fugindo, e os fãs também aparentemente perceberam [...] De alguma forma, digo “Estou de volta! ”, então por favor, não me critiquem mais!

E desse acontecimento surgiu A ONE! Por meio das letras (agora sinceras e sérias), o álbum veio para dizer que Ayumi Hamasaki e Ayu continuam as mesmas, e isso é contado pelo ponto de vista de Ayumi Hamasaki, o produto, numa conversa com Ayu. Sim, o álbum é também um meio para chegar em Ayu. Isso é verdade, sinto que meu antigo eu “já se foi”, mas ainda sinto “que ele está aqui” “Sendo algo bom ou ruim, ainda sou como eu era”. [entrevista da 109 NEWS] E assim, A ONE pode ser traduzido como UMA MESMA ou MESMA AYU.


Ao toque delicado de começo ao fim, A ONE tem de fato letras sinceras de Ayumi Hamasaki. E como ela já disse, começa pela sua essência... Essas letras compartilham uma atmosfera parecida com A Song for XX, MY STORY e SECRET, Não é à toa que no COUNTDOWN LIVE 2014-2015 ~Cirque de Minuit~ e na turnê daquele ano estivessem recheados de músicas desses três álbuns. 
Ela sempre foi capaz de expressar muito bem por meio de suas letras, e A ONE não foi diferente.
Erros>Solidão> Seguir em frente, são as palavras-chave deste álbum. Com a honestidade que conseguiu demonstrar nesse trabalho, podemos dizer que realmente a cantora está de volta. Errar todo mundo erra, e Ayu soube que "errou" ao olhos do público e tentou retornar ao seu antigo eu de forma que "não olhasse para trás".

Em abril de 2015, no Japão, o ministério da justiça decidiu formar uma "equipe" composta de personalidades visando ajudar na reintegração de presos e jovens infratores. Foram 14 atores e cantores na equipe de "reintegração de apoio", incluindo Ayu. Durante a cerimônia, as personalidades estavam com roupas de guardas prisionais.


Em Agosto de 2015 houve o lançamento do 3º mini-album, sixxxxxx, com 6 músicas com títulos que iniciam com a letra S e estilos musicais que variam entre baladas pop a dance. Destaque para a participação do grupo coreano SpeXial na música e videoclipe de Sayonara. Vendeu cerca de 45 mil cópias.

Entre setembro e dezembro, depois de 12 anos, retornam os shows para integrantes do fã clube, a TA LIMITED TOUR. Ayu se apresentou em halls (teatros) de cidades onde a turnê daquele ano não tinha percorrido. Um show intimista ao toque acústico, tendo no palco mais Ayu e a banda com poucas trocas de figurinos. A gravação do show saiu em DVD, contido em uma das versões do 18º album, M(A)DE IN JAPAN, lançado em 2016.

No dia 23 de dezembro de 2015 foi lançado o terceiro álbum clássico da Ayu: AYUMI HAMASAKI - WINTER DIARY ~A7 CLASSICAL~.

Querendo reconquistar sua nação, o COUNTDOWN LIVE 2015-2016 ~M(A)DE IN TOKYO~ trouxe diversos aspectos da cultura japonesa, do clássico ao contemporâneo, assim como seria feito no 18º album (M(A)DE IN JAPAN) e na turnê de 2016, ARENA TOUR 2016 ~M(A)DE IN JAPAN~.


Com 17 datas, a turnê passou por 9 arenas e se encerrou na província histórica de Osaka, em julho de 2016. Divulgou o 17º álbum M(A)DE IN JAPAN, lançado primeiramente online (antes de iniciar a turnê) na plataforma de música AWA e posteriormente o físico no dia 29 de junho, sendo este segundo considerado a data oficial. Desde o anúncio da turnê e com a criação do site deste, ficou claro que o espetáculo se apresentaria em capítulos relacionados às 4 estações, onde é narrada uma história triste apresentando uma visão geral para com o mundo atual e ainda mais o Japão, na qual ela descreve como doentia em uma das músicas do ultimo álbum. Ayu pede por mais amor ao próximo, benevolência e perdão. E com isso, a turnê se torna uma verdadeira peça teatral na voz de Ayumi Hamasaki.

Em setembro de 2016, Ayu anuncia o fim do casamento com Tyson Bodkin.


Em setembro, mais uma edição do TA LIMITED TOUR subtitulada BLACK and WHITE, onde cantou a música tema do jogo Clash of  Queens, "We are the QUEENS"!


Para o COUNTDOWN LIVE 2016-2017, houve o começo das comemorações dos 20 anos de carreira da cantora, que seria em 2018. Tanto o CDL quanto a turnê de 2017 foram subtituladas como "Just the beginning 20", trazendo vários hits de todo esses período. Foi a turnê até então mais longa de Ayu, que começou com este CDL e terminou na turnê de 2018, com mais de 60 datas programadas. A turnê 2017-2018 foi dividida em 4 atos.
1º ato que começou na primeira metade do ano, foi feita em halls. 
2º ato em Arenas e 3º voltou para halls. 

Neste ano pela primeira vez não houve um countdown live. Em 2018, obteve o 4º ano que foi subtitulada como POWER of MUSIC ~20th Anniversary~. 


Com o mesmo estilo do POWER of Music de 2011 e trazendo músicas com orquestras, foi mais um show de estilo e inovação.


Em agosto, O site oficial de ayu anunciou o último álbum lançado até agora. TROUBLE contém 5 músicas e foi divulgado por meio de uma nova turnê que ainda está em andamento. A turnê em modelo hall começou em outubro com 23 datas, incluindo o CDL 2018-2019. Em fevereiro e março de 2019, houve a inclusão de mais 16 datas.








Para comemorar o 21º aniversário, foi realizado uma turnê única em apenas 2 datas especialmente na Arena de Saitama, a "POWER of A^3". 


Em Maio, houve o retorno da turnê TROUBLE com mais um subtitulo, MISUNDERSTOOD, que contém 24 datas programadas e pretende se encerrar em 2020. Por mais que seja em halls, foi mantido o formato (compactado) do palco apresentado na POWER of A^3.



  

7 comments:

  1. Que lindo trabalho ^_^ . Não conhecia a trajetória da Ayu, apesar de tê-la ouvido pela primeira vez em A Song for XX, por volta de 2003. O texto ficou lindamente escrito e fiquei muito feliz ao encontrá-lo. Hoje aos 27 anos fiquei curiosa em saber por onde andava essa artista que alegrou tantos dias de minha adolescência. Descobrir sobre seu humanismo e empatia a tornam mais admirável.

    ReplyDelete
  2. Olá amei a biografia dela e o trabalho dela e de vcs!!! Parabéns!!!!
    Gostaria que atualizassem até os dias atuais, seria perfeito!!
    Gratidão!!!

    ReplyDelete
  3. Amo demais a Ayumi , minha artista favorita ! descobri ela nos anos 2000 e na epoca estava enfrentado uma seria crise de depressão e a sua musica me deu forças ! pra mim uma das maiores cantoras do mundo todo !

    ReplyDelete
  4. A Vida das pessoas e muito interessante de autos e baixo mas ela esta vencendo obstaculos com mutos Amor Parabens

    ReplyDelete

Olá pessoal. Deixem seus comentários que eles serão divulgados no Blog após verificados! Consciência ao postar é uma educação que todos devemos ter.
Infelizmente a moderação teve que ser ativada por mal uso deste canal.
Aguardamos seu comentário.

Grato. Adm.